Esporte: Saúde de Muricy deixa Abel perto de se tornar 10º técnico de Bandeira

Saúde de Muricy deixa Abel perto de se tornar 10º técnico de Bandeira



A gestão Eduardo Bandeira de Mello sabe que seu calcanhar de Aquiles é o futebol, e um dos grandes erros refere-se à constante mudança de treinadores. Desta vez, excepcionalmente, não tem culpa. Desde que foi empossado em 27 de dezembro de 2012, o presidente já empregou nove técnicos: a média é de 138 dias de trabalho para cada. Acerto da equipe de Bandeira no trato com os "professores" deu-se em relação a multas. A maioria dos técnicos no período foi dispensada sob pagamento de no máximo dois salários. Com Muricy Ramalho, o Flamengo retrocedeu e aceitou estipular como multa o valor integral de um contrato cuja a duração é de 24 meses.

Com cinco já cumpridos, o ressarcimento seria de aproximadamente R$ 8 milhões em caso de demissão. Isso, no entanto, não acontecerá, já que a saída de Muricy foi decidida pelo próprio, pressionado por família e amigos após apresentar quadro de fibrilação atrial (arritmia) no último dia 17. Um acordo deve ser costurado nos próximos dias.

A lacuna deixada por Muricy deixa Abel Braga, a bola da vez rubro-negra, na cara do gol para se tornar o 10º técnico nome da atual gestão. Ele aceita ganhar os mesmos R$ 400 mil que o "futuro ex-comandante" recebe mensalmente. A questão a ser dissolvida, em caso de acerto, é a data da chegada de Abel, que fez acordo para assumir novo clube somente após o fim do pagamento da rescisão com o Al Jazira-EAU, previsto para julho.

Abel tem uma passagem pela Gávea, entre janeiro e julho de 2004. No período, conquistou o Campeonato Carioca em competição que ficou marcada por grandes vitórias sobre Fluminense e Vasco. Em contrapartida, perdeu a Copa do Brasil num Maracanã lotado para o modesto Santo André. A escalação de quatro volantes (Robson, Da Silva, Douglas Silva e Ibson) no meio-campo, com Felipe e Jean isolados no ataque, provocou muitos questionamentos. No total, foram 44 jogos, 19 vitórias, 12 empates e 13 derrotas (52,27% de aproveitamento).

A diretoria do Flamengo tem como pilar de seu discurso a paciência na cobrança por resultados. Desde o início da gestão, sempre garantiu que primeiro reconstruiria o clube financeiramente para posteriormente buscar os canecos. A mesma serenidade, porém, não se aplica em relação à tolerância ao trabalho dos treinadores. Vanderlei Luxemburgo foi quem mais durou: nove meses, três semanas e seis dias (301 dias). Tirou o time da "confusão", teve 63,8% de aproveitamento, mas não foi campeão. Sua saída custou R$ 400 mil de multa.

O homem das conquistas foi Jayme de Almeida, que substituiu Muricy Ramalho nos últimos três jogos da equipe (um pela Copa do Brasil e dois pelo Brasileiro). Sob sua orientação, o Flamengo foi campeão da Copa do Brasil, em 2013, e do Carioca, um ano depois. Mesmo com os triunfos, caiu em 11 de maio de 2014, em seu sétimo mês à frente do time. Foi demitido pela internet, situação que o magoou. Posteriormente, conversou com o clube pelo pagamento de R$ 500 mil, referente a contrato de imagem e multa.

Os outros seis treinadores, excetuando Luxa, Jayme e Muricy, tiveram passagens brevíssimas. Dorival Júnior, o primeiro da gestão - foi contratado por Patrícia Amorim -, durou 76 dias. Jorginho, 74; Mano Menezes, 82; Ney Franco, 63; Cristóvão Borges, 80; e Oswaldo de Oliveira, 91. De todos, somente Mano teve de ressarcir o Flamengo. Fez acordo para pagar R$ 800 mil (dois meses de salário) por ter abandonado o barco antes do combinado. Com os demais, as multas foram leves, sendo a de Dorival a mais pesada (cerca de R$ 700 mil em março de 2013). A diretoria teve de segurá-lo no cargo, pois, no mês que assumira (dezembro de 2012), o valor a ser pago para demiti-lo era de aproximadamente R$ 2 milhões.

Muricy deixa o clube com apenas o quinto melhor aproveitamento dentre os nove que treinaram o Flamengo desde 2013: 57,7%.

Confira os retrospectos dos nove treinadores:

Dorival Júnior
10 jogos com Bandeira (7v/1e/2d)
Aproveitamento com Bandeira: 73%

Jorginho
14 jogos (7v/4e/3d)
Aproveitamento: 59,5%

Mano Menezes
22 jogos (9v/6e/7d)
Aproveitamento: 54,5%

Jayme de Almeida
50 jogos (27v/12e/11d)
Aproveitamento: 62%
Campeão da Copa do Brasil 2013 e do Carioca 2014

Ney Franco
7 jogos (3e/4d)
Aproveitamento: 14,2%

Vanderlei Luxemburgo
59 jogos (34v/11e/14d)
Aproveitamento: 63,8%

Cristóvão Borges
18 jogos (8v/1e/9d)
Aproveitamento: 46,2%

Oswaldo de Oliveira
18 jogos (8v/3e/7d)
Aproveitamento: 50%

Muricy Ramalho
26 jogos (13v/6e/7d)
Aproveitamento: 57,7%

Fonte: Globo Esporte
Foto: A/D
Página anterior Próxima página