Esporte: Nacional na frente no início dos dois tempos elimina o Corinthians

Nacional na frente no início dos dois tempos elimina o Corinthians



Os dois início de tempo do Nacional provocaram a quinta eliminação do Corinthians em mata-mata na arena, a segunda pela Libertadores. Mesmo jogando fora de casa, a estratégia foi pressionar o mandante no campo de ataque.

Aos 5 minutos do primeiro tempo, Nico López fez 1 a 0. Aos 11 do segundo, após dupla roubada de bola, Romero recolocou o Nacional na frente, 2 a 1. O Corinthians empatou duas vezes, mas o 2 a 2 tirou a equipe das oitavas de final da competição continental.

Diante da forte marcação inicial do time uruguaio – transformada logo no primeiro gol do jogo, após bobeadas de Uendel e Felipe –, o Corinthians demorou a conseguir trocar passes na frente. Criava algumas chances, mas sempre em bolas cruzadas para a área. Somente aos 14 minutos apareceu a primeira tabela: Giovanni Augusto tocou e recebeu a bola de Fagner e passou para o meio da área; após passar André e dois defensores, ela sobrou para Lucca empatar.

O Nacional manteve a pressão ofensiva até os 30 da etapa inicial, mas não conseguiu sustentá-la.

O Corinthians passou a ter mais chances, quase sempre optando por atacar pela direita. A presença de Fagner na frente se tornou constante. Numa delas, em contra-ataque, o lateral era o segundo jogador de frente, apenas atrás de André.

Mas o gol da virada alvinegra não saiu e, na volta do intervalo, o Nacional retomou a tática inicial: pressão na frente. E Giovanni Augusto falhou – justamente ele que, mesmo sem estar 100% fisicamente após mais de duas semanas de tratamento no tornozelo esquerdo, tinha se destacado no primeiro tempo, juntamente com Fagner. Aos 11 minutos da etapa final, a dupla se complicou com a bola no lado direito da defesa, na jogada em que Romero fez 2 a 1 para o Nacional.

Nesse momento, Giovanni Augustou sentiu o joelho esquerdo. Tite aproveitou para fazer duas alterações: Marquinhos Gabriel estreou no lugar do atleta machucado, e Romero substituiu Lucca. Novos nomes, mas no mesmo esquema, o 4-1-4-1 preferido do técnico.

O jogo seguiu aberto. Para jogar o Corinthians de uma vez por todas na área do Nacional, Tite tirou Bruno Henrique e colocou Danilo aos 24 minutos – com os cruzamentos dele, a bola ficaria mais perto do gol. A primeira chance mais clara veio aos 37, mas André desperdiçou pênalti sofrido por Marquinhos Gabriel.

No total, foram 21 finalizações do Corinthians contra 10 do Nacional – em chances reais de gol, 10 a 6. Na entrevista coletiva pós-jogo, Tite lamentou a "efetividade". Ou melhor, a falta dela...

Mais uma chance capital aconteceu aos 48, quando Marquinhos Gabriel converteu outra penalidade marcada para o Corinthians – Fagner tinha sido expulso dois minutos antes. Mas ainda faltava um gol. Romero perdeu a última chance, ao finalizar para fora, dentro da pequena área, um cruzamento de Danilo vindo da direita. Não deu... Mesmo com sete jogadores no campo de ataque, incluindo Felipe dentro da área do Nacional, não deu.

Fonte: Globo Esporte
Foto: Divulgação
Página anterior Próxima página