Esporte: Jon Jones explica fuga de acidente: "Estava com medo, fiquei apavorado"

Jon Jones explica fuga de acidente: "Estava com medo, fiquei apavorado"



Foi um ano longo para Jon Jones, ex-campeão peso-meio-pesado do UFC. A sensação é de que os dias se multiplicaram diante de episódios como um teste positivo de antidoping e, principalmente, um acidente de trânsito sem prestar socorro, que lhe custou o cinturão do evento e uma mancha indelével em sua carreira.

Nesta terça-feira, em entrevista ao site "MMA Fighting", "Bones" falou minuciosamente sobre os momentos que viveu antes, durante e após a batida de carro, ocorrida em abril, na cidade de Las Vegas (EUA), seguido da fuga desesperada e da falta de socorro à vítima - uma mulher grávida, que fraturou o braço.

- A situação toda foi louca. Fui a uma festa, muita bebida rolando... Fui para a cama pensando, "Sem beber e dirigir", nenhum dos meus amigos me deixariam pegar outro caso de DUI (Embriaguez ao volante). Fui para a cama, acordei na manhã seguinte, todo mundo tinha ido embora da festa na casa. Meu amigo e sua esposa estavam lá, e fiquei pensando comigo mesmo: "Este cara tem um filho, uma família, eu devia ir embora desta festa".

Obviamente, não era mais uma festa. Entrei no meu carro, ainda estava bem cansado, lembro de estar no sinal vermelho, ouvindo música, mandando mensagem no meu celular... E vi a luz ficar verde, presumi que era o meu farol que ficou verde, mas era para as pessoas que estavam indo reto no trânsito, eu estava fazendo uma curva. Eu pisei no acelerador quando vi o sinal verde e me encontrei indo na direção contrária do trânsito.

Jones conta que tudo aconteceu muito rápido - embora tenha notado que acabara de cometer um erro. Ele relata que percebeu que não se machucou e, ao "cair a ficha" de que estava longe de casa desde o dia anterior, teve a certeza de que se encontrava em uma situação delicada.

- Apenas pensei comigo mesmo: "Cara, saí ontem à noite, ainda não voltei para casa, provavelmente ainda estou com o cheiro de ontem, preciso sair daqui. Isso vai ser terrível, vai ser complicado. Tenho que ir". Eu estava com medo, fiquei apavorado. Estava com medo de ter que falar com a polícia naquela hora. Então pensei, "Vou me afastar daqui".

À época, a imprensa noticiou que Jones - apesar da fuga - teria retornado ao seu automóvel para pegar determinada quantia de dinheiro, algo que ele nega com veemência. O atleta do UFC declara que o desespero o cegou.

- As pessoas disseram que eu corri de volta à cena para pegar dinheiro, fazendo soar como se eu tivesse dado a volta no quarteirão e voltado... Isso nunca aconteceu. Por que eu precisaria correr para pegar dinheiro? Meu dinheiro está em contas, em investimentos, coisa assim. Eu estava cego, cara. Eu certamente bati forte, e fiquei pensando: "Preciso ir, preciso me afastar disso". Comecei a correr, cheguei a me afastar cerca de cinco jardas (4,6 metros) do meu carro, e me lembrei que tinha um cachimbo de maconha no meu porta-copos. Sabia que, se a polícia encontrasse aquele cachimbo no meu carro, tudo seria ainda pior do que eu achei que deveria ser. Voltei, olhei para o porta-copo, o cachimbo tinha voado para algum outro lugar do carro, e saí correndo de novo. Não tinha ideia do que tinha atingido, não sabia se era um carro ou um caminhão, se era um homem ou uma mulher, só sei que minha visão estava estreita, eu só pensava que precisava correr o mais rápido possível. A experiência toda durou uns 15 ou 16 segundos, e foram os piores 16 segundos da minha vida e da minha carreira, com certeza.

Jones garante que recorreu a um amigo para levá-lo ao hotel - até então, não sabia que havia machucado uma mulher no acidente. O lutador revela que sua esposa foi quem deu a dimensão do problema ao sugerir que "Bones" colocasse seu próprio nome em um site de buscas para ficar ciente das notícias veiculadas nos Estados Unidos e no mundo.

- Ela disse: "Jon, você precisa dar uma busca no Google pelo seu nome", e em talvez meia hora depois da situação acabar, o "TMZ" já tinha publicado e todos esses grandes veículos de mídia (também). Eu literalmente sentei lá e chorei pelo resto do dia. Realmente achei que minha carreira tinha acabado. Sabia que mudaria minha vida. Foi um longo dia para mim. Foi provavelmente o ponto em que mais estive deprimido na vida.

Fonte: Globo Esporte
Foto: A/D
Página anterior Próxima página