Esporte: Filipinho tira 9,50 na final, mas acaba com o vice no QS 10.000 de Haleiwa

Filipinho tira 9,50 na final, mas acaba com o vice no QS 10.000 de Haleiwa



Filipe Toledo deixou claro neste sábado que não está no Havaí para brincadeira. Abusando dos seus famosos e eficientes aéreos, o jovem de 20 anos tirou uma nota 9,50 na decisão, mas somou 14,83 pontos contra 15,40 do australiano Wade Carmichael e acabou com o vice-campeonato do respeitado QS 10.000 de Haleiwa, evento da divisão de acesso do Circuito Mundial que ele usou como preparação para a etapa derradeira da elite, que acontecerá ali perto, entre os dias 8 e 20 de dezembro, em Pipeline. Filipinho é o brasileiro com mais chance de ser campeão mundial neste ano.

Ele ocupa atualmente a segunda colocação do ranking, atrás apenas do australiano Mick Fanning. Os outros dois brasileiros com possibilidade de título também estiveram em ação em Haleiwa. Gabriel Medina parou na semifinal, e Adriano de Souza, o Mineirinho foi eliminado na terceira fase.

O QS 10.000 de Haleiwa é primeira etapa da Tríplice Coroa Havaiana, que tem como última disputa o Pipeline Masters, competição que definirá o título mundial da elite do surfe. A decisão, que contou com quatro surfistas, viu além do título de Carmichael e do vice de Filipinho, dois havaianos, Ezekiel Lau (13,04) e Dusty Payne (12,83), ficarem com o terceiro e quarto lugares, respectivamente.

A decisão de 35 minutos em ondas de tamanho médio começou com os havaianos demonstrando conhecimento das ondas do pico. Lau largou na frente com uma direita que lhe rendeu nota 4,33. Logo depois, Payne somou 5,83 e 7,00. O aussie Carmichael aproveitou que os dois estavam voltando para a arrebentação e descolou uma direita que lhe rendeu nota 9,07. Filipinho, demonstrando paciência, pegou duas ondas pequenas para esquentar e depois uma direita que valeu 4,63. O melhor estava por vir.

Toledo soube fazer muito bem a leitura das ondas e dropou uma direita que ele transformou em pista de voo. O jovem encaixou o seu letal aéreo com rotação total e arrancou o notão 9,5 dos juízes, passando a liderar a final, com 14,13. Porém, a ponta foi roubada pelo aussie, após ele conseguir como segunda melhor média um 6,33 e somar 15,40.

Restavam 15 minutos. Filipinho "só" precisava de uma nota 5,90 para reassumir a liderança, enquanto Lau corria atrás de um 8,14, e Payne buscava 8,41. Entretanto, o tempo corria e nada de nenhum surfista pegar onda. A situação era cada vez melhor para Wade Carmichael.

Faltando cinco minutos, Filipe se jogou em uma direita, mas a onda ficou muito pequena e não rendeu aéreo. Ele tirou 5,33 e não conseguiu roubar a liderança. Assim, o australiano de 23 anos pôde celebrar a vitória mais importante da carreira dele.

Medina, Filipinho e Mineirinho são os membros do Brazilian Storm ainda na briga pelo título mundial da elite. Eles têm como principal adversário o australiano Mick Fanning, que é líder do ranking e vai atrás do seu quarto caneco.

Fonte: Globo Esporte
Foto: WSL
Página anterior Próxima página