Esporte: Sem discurso, Dilma será exceção entre chefes de estado da Copa

Sem discurso, Dilma será exceção entre chefes de estado da Copa



A provável ausência de discurso da presidente da República, Dilma Rousseff, na abertura da Copa no Itaquerão representa uma exceção em edições da competição. A informação da Fifa é de que a programação da cerimônia, no momento, não prevê palavras nem da política, nem do presidente da federação, Joseph Blatter. Ainda há possibilidade de mudança até junho.

A federação internacional atribui o formato a uma decisão técnica. Mas Dilma desapareceu de estádios desde a vaia tomada no primeiro jogo da Copa das Confederações. A partir daí, os protestos contra o Mundial só aumentaram de tom, assim como caiu o apoio ao evento.

Um cenário bem diferente das últimas três Copas. Nessas edições, os chefes de estado fizeram discursos na abertura, inclusive em conjunto no caso do Japão e da Coréia do Sul. Blatter também falou, com exceção da Alemanha, onde não é muito popular.

Uma demonstração de que o governo brasileiro também pretende ter uma festa com vários chefes de estado foi a compra pela polícia federal de 36 carros blindados para transportá-los. Cada um dos veículos tem custo aproximado de R$ 250 mil, em um gasto total de R$ 9 milhões.

Esse número de carros foi determinado segundo cálculos de eventos anteriores, como Alemanha e Africa do Sul. O que não esperava é que, ao contrário de outras Copas, a anfitriã tivesse que se esconder do público. A assessoria da presidência da República não quis se pronunciar sobre o assunto.

Fonte: UOL Esporte/ Blog do Rodrigo Mattos
Foto: Reprodução
Página anterior Próxima página